Mapa controverso nomeia CEOs de 100 empresas que produzem 71% das emissões mundiais de gases de efeito estufa.

  • Apenas 100 empresas produzem 71% dos gases de efeito estufa do mundo.
  • Este mapa lista seus nomes e locais, e seus CEOs.
  • A crise climática pode ser muito complexa para essas 100 pessoas resolverem, mas nomeá-las e envergonhá-las é um bom começo.

Houston, temos um problema…

As empresas norte-americanas (e seus CEOs) mais responsáveis pela emissão de CO2 e outros gases de efeito estufa. Observe a concentração de culpados em Houston. Fonte da imagem: Jordan Engel, reutilizada via Decolonial Media License 0.1

Você carrega sua casa de compras em uma sacola reutilizável? Fecha a torneira enquanto escova os dentes? Bom trabalho! Mas salvar o planeta exigirá uma abordagem mais sistêmica. Um novo relatório patrocinado pela ONU (1.500 páginas na íntegra – considere o meio ambiente antes da impressão!) Detalha como o declínio acelerado da biodiversidade está ameaçando a própria sobrevivência da humanidade. Não é o primeiro relatório desse tipo e, apesar de seu tom cada vez mais alarmista, é improvável que seja o último.

O que fazer?

Entre a relativa futilidade do bem-estar individual e as forças aparentemente incontroláveis que degradam os ecossistemas da Terra, existe um mundo inteiro de desespero, paralisia e apatia diminuída. Mas se essas forças parecem imparáveis, talvez seja porque parecem sem nome e sem rosto. Como este mapa aponta, eles não são. O dano que está sendo causado ao planeta pode ser identificado, para uma lista muito específica de empresas. E essas empresas têm CEOs que podem ser nomeados e envergonhados.

O ocidente vs. o resto

Quanto maior o país, maior sua participação nas emissões de CO2 desde o início da Revolução Industrial. Fonte da imagem: Jordan Engel, reutilizada via Decolonial Media License 0.1

Este mapa mostra as 100 empresas responsáveis ​​pela maior parte das emissões mundiais de gases de efeito estufa e seus CEOs. Os países são inflados para representar sua parcela das emissões de CO2 desde o início da industrialização. Se queremos reduzir seriamente a quantidade de CO2 e outros gases de efeito estufa que estamos emitindo, este mapa sugere que são essas empresas – e mais especificamente, esses CEOs – que precisam prestar contas. Nomeá-los e envergonhá-los é o primeiro passo.

A base para este mapa é o relatório Carbon Majors de 2017 do CDP (anteriormente Carbon Disclosure Project), que lista os 100 principais produtores de combustíveis fósseis do mundo, responsáveis ​​por 71% de todas as emissões de gases de efeito estufa desde 1988.

De fato, mais de 50% de todas as emissões de gases de efeito estufa desde 1988 podem ser atribuídas às 25 principais entidades da lista. Essas são, em ordem decrescente: China (produção estadual de carvão), Aramco, Gazprom, National Iranian Oil, ExxonMobil, Coal India, Pemex, Rússia (produção estadual de carvão), Shell, China National Petroleum, BP, Chevron, PDVSA, Abu Dhabi National Oil, Poland Coal, Peabody Energy, Sonatrach, Kuwait Petroleum, Total, BHP Billiton, ConocoPhilips, Petrobras, Lukoil, RioTinto, Nigerian National Petroleum.

A galeria dos desonestos da Europa

Até mesmo empresas de petróleo estão se voltando para investir em energia sustentável agora – mas é apenas uma vitrine? Fonte da imagem: Jordan Engel, reutilizada via Decolonial Media License 0.1

Se a extração de combustíveis fósseis nos próximos 25 anos continuar na mesma proporção dos 25 anos anteriores, o relatório Carbon Majors afirma que estamos a caminho de um aumento de 4 °C nas temperaturas médias até o final deste século – acelerando a perda biodiversidade e o aumento da insegurança alimentar, para citar apenas duas conseqüências.

É verdade que até as empresas de petróleo estão cientes de que o vento está soprando de uma direção diferente agora e iniciaram programas para produzir energia de uma maneira mais sustentável. Mas, em muitos casos, a discrepância entre o tamanho desses programas e a atenção que eles recebem no PR corporativo os torna um pouco mais do que uma vitrine.

Jacarta supera Pequim como capital de emissões

Jacarta, capital da Indonésia, é a capital da região mais ampla de empresas emissoras de gases de efeito estufa. Fonte da imagem: Jordan Engel, reutilizada via Decolonial Media License 0.1

Esta visão geral concentra a atenção na questão principal – a emissão de CO2 e outros gases de efeito estufa. E nomeando o CEO de cada empresa, o problema é personificado. Essa personificação deve vir com algumas ressalvas.

Primeiro, essas empresas prosperam apenas porque os consumidores compram seus produtos – embora deva-se dizer que a demanda por energia é bastante inelástica: a maioria das pessoas não pode ficar sem combustível para ir de A a B ou aquecer suas casas. Segundo, com toda a justiça: os verdadeiros capitães da indústria não são os CEOs, mas os acionistas majoritários. São essas prioridades dos acionistas – apenas o lucro ou também o planeta – que impulsionam a tomada de decisões corporativas.

Esses acionistas incluem grandes investidores institucionais, mas também governos nacionais. Até 20% do investimento na extração de hidrocarbonetos é feito por financiamento público – ou seja, nós.

África limpa, Oriente Médio sujo

A África conta com relativamente poucos culpados pelo CO2, enquanto a contagem é muito maior no Oriente Médio (como se poderia esperar). Fonte da imagem: Jordan Engel, reutilizada via Decolonial Media License 0.1

Por outro lado, estamos enfrentando o mesmo problema mencionado acima novamente. As grandes instituições, mesmo que incluam você e eu, são sem nome/sem rosto. Esses CEOs são escolhidos para administrar e representar suas empresas. Talvez eles devam se acostumar com um novo emprego: ser o pára-raios de nossa crescente preocupação com o aquecimento global.

O Atlas Decolonial, que publicou este mapa, cita o artista folclórico dos EUA e o organizador do trabalho Utah Phillips: “A terra não está morrendo, está sendo morta, e aqueles que a matam têm nomes e endereços".

Nessa lista está o seu nome e endereço, e o meu; porque todos nós poderíamos fazer muito mais. Mas não tanto quanto essas 100 pessoas. Que este mapa seja um convite para nos familiarizarmos com suas intenções, boas ou não.

Leave a Reply