Um número relativamente pequeno de produtores de combustíveis fósseis e seus investidores poderiam ser a chave para combater as mudanças climáticas.

Apenas 100 empresas foram a fonte de mais de 70% das emissões mundiais de gases do efeito estufa desde 1988, de acordo com um novo relatório.

O Relatório Carbon Majors “aponta como um conjunto relativamente pequeno de produtores de combustíveis fósseis pode ser a chave para a mudança sistêmica nas emissões de carbono”, diz Pedro Faria, diretor técnico do CDP sem fins lucrativos, que publicou o relatório em colaboração com o Climate Accountability Institute.

Tradicionalmente, os dados de emissões de gases de efeito estufa em grande escala são coletados em nível nacional, mas este relatório se concentra nos produtores de combustíveis fósseis. Compilado a partir de uma base de dados de números de emissões disponíveis publicamente, pretende-se que seja o primeiro de uma série de publicações a destacar o papel que as empresas e os seus investidores podem desempenhar no combate às alterações climáticas.

O relatório constatou que mais da metade das emissões industriais globais desde 1988 – ano em que foi estabelecido o Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima – pode ser atribuída a apenas 25 entidades corporativas e estatais. A escala de emissões históricas associadas a esses produtores de combustível fóssil é grande o suficiente para ter contribuído significativamente para as mudanças climáticas, de acordo com o relatório.

A ExxonMobil, Shell, BP e Chevron são identificadas entre as maiores empresas emissoras de capital desde 1988. Se os combustíveis fósseis continuarem sendo extraídos na mesma proporção nos próximos 28 anos, como ocorreram entre 1988 e 2017, diz o relatório, global as temperaturas médias estariam a caminho de subir 4C até o final do século. É provável que isso tenha conseqüências catastróficas, incluindo extinção substancial de espécies e riscos globais de escassez de alimentos.

Embora as empresas tenham um grande papel na condução da mudança climática, diz Faria, a barreira é a “tensão absoluta” entre a lucratividade de curto prazo e a necessidade urgente de reduzir as emissões.

Um estudo da Carbon Tracker em 2015 descobriu que as empresas de combustíveis fósseis arriscaram desperdiçar mais de US$2 trilhões na próxima década, buscando projetos de carvão, petróleo e gás que poderiam ser inúteis diante da ação internacional sobre mudanças climáticas e avanços em renováveis ​​- por sua vez ameaças substanciais aos retornos dos investidores.

O CDP diz que seus objetivos com o projeto de grandes carbonos são ambos para melhorar a transparência entre os produtores de combustíveis fósseis e ajudar os investidores a entender as emissões associadas às suas reservas de combustíveis fósseis.

Um quinto das emissões industriais globais de gases de efeito estufa é apoiado por investimentos públicos, de acordo com o relatório. “Isso coloca uma responsabilidade significativa sobre esses investidores em se envolver com as principais empresas de carbono e incita-os a divulgar o risco climático”, diz Faria.

Os investidores devem sair dos combustíveis fósseis, diz Michael Brune, diretor executivo da organização ambiental americana Sierra Club. “Não só é moralmente arriscado, é economicamente arriscado. O mundo está se afastando dos combustíveis fósseis para a energia limpa e está fazendo isso em um ritmo acelerado. Aqueles que deixaram investimentos em empresas de combustíveis fósseis vão descobrir que seus investimentos se tornarão cada vez mais arriscados com o tempo ”.

Há uma “onda crescente de empresas que estão agindo de maneira oposta às empresas neste relatório”, diz Brune. Quase 100 empresas, incluindo Apple, Facebook, Google e Ikea, se comprometeram com 100% de energia renovável sob a iniciativa RE100. A Volvo anunciou recentemente que todos os seus carros seriam elétricos ou híbridos a partir de 2019.

E as empresas de petróleo e gás também estão embarcando em investimentos verdes. A Shell montou um braço de renováveis ​​em 2015 com um investimento de US $ 1,7 bilhão e um porta-voz da Chevron diz que está “comprometido com o gerenciamento de suas emissões" e está investindo em dois dos maiores projetos de injeção de dióxido de carbono do mundo para capturar e armazenar carbono . Um porta-voz da BP diz que está “determinado a fazer parte da solução” para a mudança climática e está “investindo em renováveis ​​e inovações de baixo carbono”. E a ExxonMobil, que tem enfrentado fortes críticas por seu histórico ambiental, vem explorando a captura e armazenamento de carbono .

Mas para muitos, as somas envolvidas e o ritmo da mudança estão longe o suficiente. Um estudo publicado no ano passado por Paul Stevens, um acadêmico do think tank Chatham House, disse que as empresas internacionais de petróleo não são mais adequadas para o propósito e advertiu essas multinacionais que enfrentariam um final “desagradável, brutal e breve" nos próximos 10 anos. Eles não mudaram completamente seus modelos de negócios.

Os investidores agora têm uma escolha, de acordo com Charlie Kronick, conselheiro sênior do programa no Greenpeace do Reino Unido. “O futuro da indústria petrolífera já foi escrito: a escolha é que seu declínio seja gerenciado, devolver capital aos acionistas para que sejam reinvestidos nas genuínas indústrias do futuro, ou continuarão esperando que não sejam os últimos a ficar quando a música pára?

Os 100 principais produtores e suas emissões cumulativas de gases de efeito estufa de 1988 a 2015

Leave a Reply