Embora a maioria das corporações e empresas tenha implementado uma estratégia de impacto social, muitas são incongruentes com os objetivos de lucratividade e crescimento da empresa e, muitas vezes, acabam se tornando obsoletas.

Estratégias eficazes de impacto social precisam estar enraizadas no próprio DNA corporativo de uma empresa, e não apenas em uma caixa. As empresas ainda não estão conseguindo entender como ter uma estratégia efetiva de impacto social é fundamental para o crescimento e a viabilidade a longo prazo.

A RSC (Responsabilidade Social Corporativa) é um meio para as empresas trazerem benefícios para si e para os funcionário, ao mesmo tempo em que também beneficia a sociedade. Enquanto as empresas estão se tornando cada vez mais conscientes dos benefícios dessa estratégia, elas ainda não têm consciência do quão profundamente uma estratégia de impacto social precisa ser incorporada em uma empresa e por que ela precisa ser adotada dessa maneira.

Um estudo global do projeto SEFORIS (o maior estudo sobre empresas sociais do mundo até hoje) revelou como as empresas que oferecem crescimento inclusivo implementando uma estratégia de impacto social também estão vendo um rápido crescimento na receita.

Estratégias eficazes de impacto social são projetadas para melhorar a missão geral de uma empresa, não apenas sua identidade de marca. Para não ser confundido com marketing ou filantropia corporativa, as estratégias de impacto social fornecem um plano concreto que tem resultados de negócios quantificáveis ​​combinados com um impacto societário mensurável e definitivo.

Não é mais suficiente ser apenas orientado pelo lucro. O que faz as empresas se destacarem é sua capacidade de colocar lucro e propósito lado a lado. Para que uma empresa realmente prospere, ela precisa ser lucrativa e ter um propósito simultaneamente. Uma organização que é voltada para o lucro e possui um propósito fornece mobilidade a seus funcionários e recursos de uma maneira incomparável. Para um negócio crescer, o propósito precisa ser incorporado em seu núcleo. As empresas precisam fazer bem fazendo o bem.

Para lidar com isso, as empresas precisam entender completamente como seus funcionários podem ser um dos seus maiores ativos para expandir seu impacto social. A exibição de uma estratégia de impacto social forte não apenas aumenta a confiança do público e torna a empresa atraente para possíveis funcionários, mas também resulta em uma força de trabalho mais engajada, voltada para gerar não apenas receita, mas canais valiosos de marketing e relações públicas. As pessoas de uma empresa fornecem a representação mais genuína da marca e do valor de uma empresa. As organizações precisam se lembrar disso ao considerar o impacto social.

Os funcionários ficam muito mais envolvidos e satisfeitos quando recebem a oportunidade de realizar um trabalho impactante. Isso resultará em um sentimento mais forte de realização e propósito entre os funcionários e, essencialmente, aumentará o impacto positivo no local de trabalho. Estudos demonstraram como a responsabilidade social corporativa tem sido destacada como um dos principais motivadores do engajamento dos funcionários, e os funcionários engajados são trabalhadores eficazes e geram resultados.

Esforços de alcance fracos para a comunidade não devem mais ser aceitáveis ​​e não são mensuráveis ​​contra uma estratégia de impacto social bem implementada e integrada, concentrando-se nas contribuições diárias para o envolvimento da comunidade, em oposição à doação ocasional ou evento de caridade.

A ampliação do impacto social precisa ser um processo multissetorial. Uma colaboração intersetorial eficaz permitirá que novas técnicas e abordagens sejam implementadas para alcançar melhores resultados sociais. A combinação da colaboração entre os setores público, privado e social pode enfrentar desafios sociais complexos, atraindo recursos de vários participantes para garantir a melhoria da eficácia dos serviços que as empresas podem oferecer ao público por meio de esforços conjuntos. Muitas vezes os setores público, privado e social são segregados e isolados. Com seus recursos fragmentados, eles precisam trabalhar juntos para atingir metas comuns e possibilitar resultados sociais mutuamente desejados.

De quem é a responsabilidade? Cabe à liderança da empresa garantir que o impacto social esteja no topo da agenda de negócios. Eles devem garantir que uma estratégia eficaz seja incorporada ao funcionamento cotidiano da empresa, priorizando o valor a longo prazo de uma forma que beneficie mutuamente tanto os funcionários como a sociedade em geral. Os CEOs devem delinear objetivos e propósitos claros da empresa além dos pontos de contato financeiros, definindo seus valores. É importante que esses valores orientadores permeiem todo processo de tomada de decisão, desde a pegada ambiental até o impacto social às decisões de investimento.

As empresas devem considerar o impacto social como uma iniciativa ampla da empresa e não apenas uma marca na caixa. Caso contrário, correm o risco de perder a confiança do público, o que pode ser extremamente prejudicial a longo prazo. Nesta era de maior transparência e maior responsabilidade, as empresas não podem se dar ao luxo de deixar essa questão sem solução. As consequências de se fazer isso podem ser profundas.

Leave a Reply