Antes de dizer não, reserve um momento para realmente se perguntar se o capitalismo é o sistema mais adequado para construir nossa futura sociedade.

Esta história reflete as opiniões dos autores, mas não necessariamente a posição editorial da Fast Company.

Em fevereiro, o estudante universitário de segundo ano Trevor Hill se levantou durante uma reunião na prefeitura de Nova York e fez uma pergunta simples para Nancy Pelosi, líder dos democratas na Câmara dos Deputados. Ele citou um estudo da Universidade de Harvard mostrando que 51% dos americanos entre 18 e 29 anos já não apóiam o sistema capitalista, e perguntou se os democratas poderiam abraçar essa realidade em rápida mudança e estabelecer um contraste mais claro com a economia da direta.

Pelosi ficou visivelmente surpreso. “Eu agradeço a sua pergunta", ela disse, “mas lamento dizer que somos capitalistas, e é assim que é."

O vídeo se tornou viral. Foi poderoso devido ao claro contraste que ele criou. Trevor Hill não é um esquerdista rígido. Ele é apenas um millennial comum – esperto, informado, curioso sobre o mundo e ansioso para imaginar um mundo melhor. Mas Pelosi, uma grande figura da política do establishment, recusou – ou simplesmente não conseguiu – entreter seu desafio ao status quo.

Não são apenas os jovens eleitores que se sentem assim. Uma pesquisa da YouGov em 2015 descobriu que 64% dos britânicos acreditam que o capitalismo é injusto, que piora a desigualdade. Mesmo nos EUA, chega a 55%. Na Alemanha, 77% são céticos em relação ao capitalismo. Enquanto isso, três quartos das pessoas nas principais economias capitalistas acreditam que as grandes empresas são basicamente corruptas.

Why do people feel this way? Probably not because they deny the abundant material benefits of modern life that many are able to enjoy. Or because they want to travel back in time and live in the U.S.S.R. It’s because they realize—either consciously or at some gut level—that there’s something fundamentally flawed about a system that has a prime directive to churn nature and humans into capital, and do it more and more each year, regardless of the costs to human well-being and to the environment we depend on.

Por que as pessoas se sentem assim? Provavelmente não porque elas negam os benefícios materiais abundantes da vida moderna que muitos são capazes de desfrutar. Ou porque elas querem viajar no tempo e viver na URSS. É porque elas percebem – conscientemente ou em algum nível profundo – que há algo fundamentalmente errado em um sistema que tem uma diretriz primordial para transformar a natureza e os seres humanos em capital, e produzir mais e mais a cada ano, independentemente dos custos para o bem-estar humano e para o meio ambiente de que dependemos.

Também vemos esse plano na ideia de que as corporações têm o dever fiduciário de aumentar o valor de suas ações em prol dos retornos dos acionistas, o que impede que CEOs bem-intencionados façam algo voluntariamente – como aumentar os salários ou reduzir a poluição – que possam comprometer suas ações.

Basta olhar para o recente caso envolvendo a American Airlines. No início deste ano, o CEO Doug Parker tentou aumentar os salários de seus funcionários para corrigir os “anos de tempos incrivelmente difíceis” sofridos por seus funcionários, apenas para ser abatido pela Wall Street. No dia em que anunciou o aumento, as ações da empresa caíram 5,8%. Este não é um caso de uma indústria à margem, lutando pela sobrevivência e precisando tomar decisões difíceis. Pelo contrário, as companhias aéreas estão obtendo lucros. Mas os ganhos são vistos como propriedade natural da classe dos investidores. É por isso que o JP Morgan criticou o aumento salarial como uma “transferência de riqueza de quase US $ 1 bilhão" para os trabalhadores. Como eles ousam?

O que fica claro aqui é que o nosso sistema é programado para subordinar a vida ao imperativo do lucro.

Para um exemplo surpreendente, considere a horripilante ideia de criar galinhas sem cérebro e cultivá-las em grandes fazendas verticais, estilo Matrix, presas a tubos e eletrodos e empilhadas uma sobre a outra, tudo para extrair lucro de seus corpos da forma mais eficiente possível. Ou tomar o desastre da Torre Grenfell em Londres, onde dezenas de pessoas foram incineradas porque a empresa construtora optou por usar painéis inflamáveis para economizar £ 5.000 (cerca de US $ 6.500). Mais uma vez, o lucro supera a vida.

Tudo procede da mesma profunda lógica. É a mesma lógica que vendeu vidas por lucro no comércio de escravos do Atlântico, é a lógica que nos dá explorações e vazamentos de petróleo, e é a lógica que está nos empurrando de cabeça para o colapso ecológico e a mudança climática.

Uma vez que percebemos isso, podemos começar a ligar os pontos entre as nossas diferentes lutas. Há pessoas nos EUA lutando contra o oleoduto Keystone. Há pessoas na Grã-Bretanha lutando contra a privatização do Serviço Nacional de Saúde. Há pessoas na Índia lutando contra a apropriação de terras corporativas. Há pessoas no Brasil lutando contra a destruição da floresta amazônica. Há pessoas na China lutando contra os baixos salários. Todos estes são movimentos nobres e importantes por direito próprio. Mas, ao nos concentrarmos em todos esses sintomas, corremos o risco de perder a causa subjacente. E a causa é o capitalismo. É hora dar nome ao problema.

O que é tão empolgante no momento presente é que as pessoas estão começando a fazer exatamente isso. E elas estão com fome de algo diferente. Para alguns, isso significa socialismo. A pesquisa do YouGov mostrou que os americanos com menos de 30 anos tendem a ter uma visão mais favorável do socialismo do que o capitalismo, o que é surpreendente, dada a enorme escala da propaganda projetada para convencer as pessoas de que o socialismo é um mal. Mas a geração dos millenials não é prejudicada por esses binários antigos e empoeirados. Para eles, o assunto é simples: eles podem ver que o capitalismo não está funcionando para a maioria da humanidade e estão prontos para inventar algo melhor.

Como poderia ser um mundo melhor? Há um milhão de ideias por aí. Podemos começar mudando a maneira como entendemos e medimos o progresso. Como Robert Kennedy disse, o PIB “não permite a saúde de nossos filhos, a qualidade de sua educação ou a alegria de suas brincadeiras. . . mede tudo, em suma, exceto o que faz a vida valer a pena. ”

Nós podemos mudar isso. As pessoas querem que a saúde e a educação sejam bens sociais, não mercadorias de mercado, por isso podemos escolher colocar os bens públicos de volta em mãos públicas. As pessoas querem que os frutos da produção e os rendimentos de nosso planeta generoso beneficiem a todos, em vez de serem desviados pelos super-ricos, para que possamos mudar as leis tributárias e introduzir medidas potencialmente transformadoras como uma renda básica universal. As pessoas querem viver em equilíbrio com o meio ambiente do qual todos dependemos para nossa sobrevivência; para podermos adotar soluções agrícolas regenerativas e até escolher, como fez o Equador em 2008, reconhecer em lei, no nível da constituição nacional, que a natureza tem “o direito de existir, persistir, manter e regenerar seus ciclos vitais”.

Medidas como essas poderiam destronar a principal diretriz do capitalismo e substituí-la por uma lógica mais equilibrada, que reconheça os muitos fatores necessários para uma civilização saudável e próspera. Se feito sistematicamente o suficiente, eles poderiam consignar o capitalismo unidimensional à lata de lixo da história.

Nada disso é realmente radical. Nossos líderes nos dirão que essas idéias não são viáveis, mas o que não é viável é a suposição de que podemos manter o status quo. Se continuarmos batendo na barreira da desigualdade e mastigando nosso planeta vivo, a coisa toda vai implodir. A escolha é gritante, e parece que as pessoas estão despertando em grandes números: ou evoluímos para um futuro além do capitalismo, ou não teremos futuro algum.

Leave a Reply